4 dia Jejum Restaurando as Portas

Categories: Ministério

QUINTA-FEIRA: 05/03/15

Tiago 3
“… Acaso pode sair água doce e água amarga da mesma fonte?…” (vs.11)

Nesta carta Tiago nos adverte quanto a responsabilidade que temos por tudo que sai da nossa boca, ainda que tenhamos mil justificativas: falei sem pensar, estava nervoso(a), não tive a intenção de te machucar, eu falo o que eu penso mesmo, sou sincero(a), etc. Deus, nesta carta, nos lembra da nossa natureza falha e pecadora, cheia de mentiras, calunia, difamação, perjúrio, fuxico, fofoca, jactância, murmuração, falso testemunho, escarnio, etc.
Vimos que a nossa língua tem poder de dirigir, governar e influenciar (vs. 1-5); tem poder de destruir e contaminar nós mesmos, outras pessoas e ambientes (vs.5-8); e que a nossa língua tem poder para dividir e corromper (vs. 9-12); ou seja, temos nos lábios uma arma poderosa e mortal e, somos incapazes de domá-la. Nem nossa educação, nosso equilíbrio emocional, nem mesmo nosso silêncio passageiro pode frear aquilo que sai da nossa boca.
Palavras podem destruir qualquer tipo de relacionamento, familiar, profissional, ministerial e principalmente seu relacionamento com Deus. A sua boa mostra a qualidade dos seus pensamentos, desnuda sua alma e revela o que realmente existe no seu coração. Porém, a Palavra de Deus nos ensina que aquele que domina sua língua é perfeito, e, capaz de governar seu corpo.

PRÁTICA: É tempo sim de restaurar o nosso falar, mas para isso é preciso: 1) Arrepender-se! É preciso reconhecer o quanto somos falhos e pecadores e que os que mais nos amam são e/ou foram aqueles que mais machucamos. 2) Render-se! Clame ao Espírito Santo para curar suas feridas. Libere perdão, busque a sabedoria de Deus e prossiga na companhia do doce Espírito. 3) Profetiza! Use poderosamente seus lábios para louvar e engrandecer o nome que é sobre todo nome: Jesus Cristo!

Author: admin

Deixe uma resposta